Fundos imobiliários: veja quais segmentos se deram melhor em maio

Maio não foi um grande mês para os fundos imobiliários. Prova disso é que o IFIX, o índice dos FIIs, fechou o mês no vermelho, com queda de 1,58% sobre abril – ainda que a variação dos últimos 12 meses seja positiva em 5,95%. O cenário é de uma recuperação ainda em andamento depois de perdas que foram mais duras para alguns setores.

“Os FIIs de lajes corporativas e shopping centers continuaram muito descontados”, afirma Vitor Bidetti, CEO da gestora Integral Brei. “Os shoppings ficaram fechados por um longo período, então é natural que os dividendos caiam bastante. A vacância dos escritórios aumentou e os descontos continuam fortes. Eles pagam o dividend yield mais alto nesse momento [entre os setores] em função desses descontos.”

Em paralelo, o aumento da taxa Selic afetou as curvas longas de juros, e isso é algo que ainda está sendo precificado pelo mercado de FIIs – mesmo que não seja suficiente para provocar um êxodo das pessoas físicas de volta para a renda fixa.

A pedido do 6 Minutos, a plataforma de informações financeiras Economatica fez um levantamento dos 10 fundos que integram a carteira do IFIX que entregaram maiores rentabilidades em maio aos cotistas, pelo método TSR (retorno total ao acionista).

Nome do fundoTickerRentabilidade maio/2021 (%)Rentabilidade acumulada (%)
Habitat Recebíveis PulverizadosHABT115,1210,45
BB ProgressivoBBFI11B4,4633,61
Rio Bravo Renda EducacionalRBED114,31-0,71
VBI REITs FOFRVBI113,775,93
Continental Square Faria LimaFLMA113,43-1,29
Kinea SecuritiesKNSC112,9514,02
Brasil Plural Absoluto FoFBPFF112,772,24
Rio Bravo IfixRBFF112,40-4,28
Rio Bravo Renda VarejoRBVA112,34-2,36
HSI MallHSML111,63-1,53

ranking é liderado mais uma vez por um representante dos chamados fundos de papel, que investem em recebíveis imobiliários (CRIs). “Eles continuaram muito bem, com dividendos mais previsíveis e com um nível interessante, apesar de estarem com o preço um pouco acima do valor patrimonial”, comenta Bidetti.

Que outros setores foram bem em maio? Logística, com a vacância em queda e os galpões começando a ver reação no preço dos aluguéis, e fundos de fundos. “O investidor deve olhar com atenção aqueles FoFs que estão mais descontados e avaliar se há uma oportunidade [de compra] ali”, aconselha.

E os escritórios e shoppings, que ainda estão meio baqueados? Bidetti acredita que a retomada virá no segundo semestre, atrelada ao avanço da vacinação contra a covid-19. Com 75% da população adulta vacinada, teremos a imunidade de rebanho, o que ele estima que acontecerá entre setembro e outubro. “Com a vida normal nos escritórios, os fundos de laje devem começar a ver as distorções exageradas de preço sendo corrigidas”, explica o CEO da Integral Brei. “Os shoppings precisam voltar a atender normalmente, então esses fundos seguem uma dinâmica parecida.”

Alguma tendência interessante no setor? Sim, o crescimento dos FII residenciais. É um segmento ainda incipiente no Brasil, mas que deve ganhar tração nos próximos anos. “Algumas plataformas estão sendo constituídas por investidores profissionais e esse movimento já deságua no mercado de FII para a pessoa física”, afirma Bidetti. “Nos Estados Unidos, o segmento residencial é o que gera a maior renda. Talvez ele não tenha aqui a mesma escala, mas deve crescer principalmente nas grandes capitais”, prevê.

AUTORIA

THIAGO LASCO

  • Já escreveu sobre carros, comida, turismo e comportamento, antes de enveredar pelos investimentos e finanças pessoais. Gosta de comer bem, viajar, andar de bicicleta e parar tudo para ver o sol se pôr.

Fonte: https://6minutos.uol.com.br/minhas-financas/indice-dos-fundos-imobiliarios-fechou-maio-no-vermelho-veja-quais-renderam-mais/