Executivos evidenciam tendência dos fundos ESG

Além de beneficiar o planeta, esses fundos podem performar melhor no longo prazo.

May 12, 2021

Com as questões de sustentabilidade cada vez mais em pauta nos dias atuais, os fundos ESG têm sido muito visados no mundo todo ao valorizar questões ambientais, sociais e de governança corporativa.

Vitor Bidetti, CEO da Integral Brei, explica que um projeto imobiliário ESG envolve diversos selos de certificação, como o LEED. “Há a questão da sustentabilidade de maneira concreta, com regras bem aplicadas e padrões mundiais, como a economia de água, energia elétrica, padrão construtivo e menor emissão de gás carbônico”.

Em relação aos aspectos sociais e de governança, a política de investimento do fundo estabelece uma série de compromissos assumidos. “No caso do nosso fundo, o Biotic, trouxemos a CTE para o trabalho e uma série de certificações para a Smart City, distrito de inovação etc., não só da propriedade, mas também da mobilidade”, aponta Bidetti.

Rubens Spina, CEO da EBP Brasil, menciona que desde 2008 a empresa auxilia os clientes na elaboração dos GRIs, Global Reporting Initiatives, e que tópicos como economia de energia e water footprint – metodologia para as empresas identificarem sua pegada hídrica e o impacto gerado de água azul e cinza ao elaborar um produto – encontram-se cada vez mais presentes na companhia.

“Por muito tempo, falamos sobre as pegadas de carbono e calculamos as emissões de efeitos de gases estufa, e hoje já fazemos o estudo de análise do ciclo de vida dos produtos. Começamos a ver o ESG sendo desenvolvido pelo setor financeiro, dado que grandes corporações e fundos fazem com que o setor produtivo olhe para isso com seriedade”, enfatiza.

A empresa já trabalhou com modelagem energética de edificação, mapeamento de retrofit, indicadores e programas como os PGRCCs – programas de resíduo sólido de construção civil. “Enxergamos como uma evolução e consolidação deste modelo”, menciona Vinicius Ambrogi, head de Marketing e Environmental Division na EBP Brasil.

Spina acredita em uma aproximação dos clientes da EBP Global com edificações sustentáveis: “Falamos de emissão zero nas edificações não só na fase de implementação, mas também na operação, ou seja: quando o empreendimento já está pronto, é operado com enfoque nos aspectos de energia, meio ambiente e relacionados a resíduos”, esclarece.

Na Integral Brei, o tema é tratado há mais de três anos. “Passamos a ser signatários de Principles for Responsible Investments (PRI), DP World e Impacto Global, que são os principais organismos relacionados a investimentos responsáveis e sustentáveis. Entendemos que é dever dos gestores e administradores de recursos estarem sempre se aperfeiçoando”, opina o CEO da companhia.

Hoje já são mais de 2,5 mil empresas signatárias no PRI, aproximadamente U$ 87 trilhões em ativos sob gestão. Muitos enxergam com oportunidade os ativos que podem ser recuperados e transformados em empreendimentos, como os brownfields, áreas contaminadas no passado.

Bidetti afirma que os investimentos ESG comprovam que a emissão, seja de um fundo, debênture, CRI ou CRA, de fato atende aos requisitos, remetendo a um investimento de maior qualidade. À medida em que o mercado amadurece, cria-se condições de preço para o tomador do recurso, que terá acesso a capital com custo menor, e para o investidor, com um produto de melhor qualidade. “Todos saem ganhando”, afirma o executivo.

Além dos benefícios para o planeta, Bidetti menciona que diversos estudos comprovam que as companhias aderentes aos quesitos ESG conseguem captar recursos a custos menores progressivamente. “No Brasil, ainda estamos no início, mas já é uma realidade. Há empresas especializadas em emissões ESG ou green bond, como a Sitawi e a Resultante, companhias brasileiras de excelente padrão”.

“Um dos fundos que está saindo do forno da Integral Brei vai ser o primeiro FII ESG do Brasil, nascendo com cerca de R$ 2,5 bilhões, entre terreno e captação de recursos para a primeira fase da Smart City. É um distrito de inovação”, explica o executivo.

“Temos uma grande relação com investigações ambientais e tratamento de áreas contaminadas, portanto há uma comunicação direta com fundos e empreendedores do segmento imobiliário”, explica o head de Marketing e Environmental Division na EBP Brasil.

Entretanto, Ambrogi mostra que ainda há muito a ser feito, reforçando a importância de as empresas criarem, inicialmente, um diagnóstico, identificarem oportunidades de melhorias, definirem um plano de ação e implementá-lo. “É um processo contínuo e de longo prazo que deve ser sempre monitorado”, enfatiza.

Incentivos

Segundo Spina, muitas áreas na cidade de São Paulo estão contaminadas, encontram-se paradas e abandonadas. “Deveria haver algum tipo de incentivo financeiro, seja juros mais baixos ou crédito mais alongado, para que investidores pudessem recuperar essas áreas e trazer para o benefício da sociedade”, opina.

Bidetti explica que a vantagem para o gestor ao investir em projetos comprometidos com os aspectos ambientais, sociais e de governança é trabalhar com uma qualidade de produto superior, que aumenta o número de capital. “Você acessa bolsos hoje inacessíveis, principalmente na perspectiva internacional. O produto deve performar melhor no longo prazo, refletindo em maior liquidez e valorização de cotas no mercado secundário”, esclarece o executivo.

Para o head de Marketing e Environmental Division na EBP Brasil, quanto mais bem estruturada é a empresa do ponto de vista dos pilares meio ambiente, social e governança, maior é a segurança, dado que se ela está bem posicionada nesses pilares, será financeiramente mais sustentável.

“O ESG é a transcrição de um conceito de negócio sustentável, que tem também retorno financeiro. Tem governança bem estabelecida e pouco risco de um problema social grave associado à empresa, então é estruturado para dar um retorno melhor aos fundos”, explica o executivo.

Para Bidetti, todos os gestores e administradores deveriam buscar desenvolver produtos com esse tipo de característica. “A fronteira deixou de ser tendência e passou a ser algo mandatório. Isso é emblemático e estamos seguindo esse caminho”, finaliza.

Por Julia Martini

Fonte: https://www.griclub.org/news/real-estate/executivos-evidenciam-tendencia-dos-fundos-esg_1491.html